Sex, 24 de Outubro de 2014
Banner
Cinco importantes razões para você fazer triagem auditiva
Escrito por Kendra Chihaya    Dom, 21 de Julho de 2013 12:53    PDF Imprimir E-mail

Segundo a OMS a triagem auditiva, em qualquer fase da vida, assegura o diagnóstico e tratamento precoce de problemas evitando a perda auditiva incapacitante.

 

drvisitNão importa a sua idade, sua história familiar ou sua saúde em geral, fazer triagem auditiva, faz parte crucial do seu bem-estar. De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, 360 milhões de pessoas no mundo sofre de perda auditiva incapacitante. Destes, dois terços são formados por crianças, jovens e adultos até 64 anos de idade. E metade dos casos seria facilmente evitado por meio de diagnóstico precoce, intervenções e tratamentos adequados.

Ao contrário do que se pensa, problemas auditivos não afetam apenas idosos ou pessoas que trabalham em ambientes ruidosos. Com o crescimento das cidades, a evolução tecnológica, associados ao aumento do consumo e o acesso da população às mais diversas tecnologias. As pessoas, além de viver mais, estão tendo mais contato com ruídos urbanos e doenças que levam ao desenvolvimento de problemas auditivos. Fato que elevou o número de indivíduos com perda auditiva em todo o mundo.

 

Neste sentido, os sintomas de perda auditiva podem afetar pessoas de todas as idades, e às vezes pode ser tão sutil que passa despercebido. Assim apresentamos algumas razões importantes para buscar um profissional especializado e fazer uma triagem auditiva o quanto antes, mesmo que não se perceba os sintomas da doença.

  1. aluno-DA1ATRASO DE APRENDIZAGEM: Crianças que experimentam de problemas ou distúrbios auditivos comumente sofrem de déficit de aprendizagem, porque são incapazes de ouvirem e até compreenderem os professores. Além de que, muitas vezes sofrem bullying, por não assimilarem o conteúdo, como os demais alunos.
  2. 49259aSEGURANÇA: Não ser capaz de ouvir corretamente pode colocar uma pessoa ou uma criança em um ambiente ou situação insegura. Como por exemplo, não ouvir o alerta de perigo que outra pessoa esteja dando. Não ouvir uma buzina de carro, uma sirene de polícia ou ambulância quando se atravessa a rua ou dirige. Ou mesmo um alarme de incêndio enquanto dorme.
  3. mulher-conversa-homem-atencaoQUALIDADE DE VIDA: Como é bom ouvir barulhos comuns como o canto dos pássaros, ondas quebrando ou crianças rindo, não é mesmo? Pessoas com problemas auditivos, estes pequenos detalhes da vida, passam despercebidos. Além disso, a relação com os membros da família e amigos tornam-se mais difíceis, porque eles precisam constantemente repetir as informações para tentarem estabelecer uma comunicação. Isto faz com que o tempo, algumas pessoas se afastem, porque não conseguem estabelecer uma comunicação contínua.
  4. 375675 537271592997640 5665552 nDIFICULDADES NO TRABALHO: Quem possui problemas ou distúrbios auditivos, muitas vezes enfrentam dificuldades no trabalho e não entendem o porquê. Visto que não conseguem ouvir ou compreendem os pedidos do chefe, ou uma apresentação ou palestra, ou mesmo um cliente numa teleconferência. Pesquisa realizada nos EUA afirma que pessoas com perda auditiva não tratada, ganham muito menos do que poderiam ganhar, visto que não conseguem ser promovidos e raramente recebem aumentos de salário, devido à baixa produtividade.
  5. PROBLEMAS DE SAÚDE: Diversas pesquisas já provaram que pessoas com perda auditiva não tratada podem causar ou acelerar outros problemas de saúde física ou emocional, tais como:

adonia smith thumbDepressão e Isolamento: Quando você não é capaz de ouvir conversas com familiares, amigos, colegas de trabalho ou colegas em um evento social, que pode levar ao isolamento e à depressão. Estes eventos podem perder seu brilho, porque é difícil apreciá-los ao máximo.

Demência e Declínio Cognitivo: Estudo da Universidade Johns Hopkins nos EUA descobriu que pessoas com perda auditiva leve são duas vezes mais propensos a apresentar sintomas de demência, devido ao isolamento e a falta de compreensão do seu entorno, causando o declínio cognitivo.

Maior risco de doença de Alzheimer: Um estudo do Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA encontrou uma ligação entre a doença de Alzheimer e perda auditiva, observando que para cada 10 decibéis de perda auditiva aumenta o risco de contrair a doença em 20%.

 
Estas são apenas algumas das razões para se procurar um fonoaudiólogo e realizar uma triagem auditiva, mesmo que não se perceba nenhum sintoma da doença.

 

Recomendações da OMS para Triagem auditiva

Segundo a OMS, o grande número de crianças e jovens com a deficiência auditiva ainda são causados ou por outras doenças que levam a perda auditiva tais como: caxumba, rubéola, sarampo meningite. Ou por exposição excessiva a ruídos que levam a Perda Auditiva Induzida por Ruído - PAIR, um problema característico das grandes cidades e das novas tecnologias de comunicação tais como: Ipods, Fones de Ouvido, Mp3 e outros aparelhos de reprodução sonora individual, que emitem ruídos acima do nível máximo recomendado pela organização.

 

O problema auditivo além de fazer parte do envelhecimento humano, também pode ser associado a fatores que incluem a exposição a altos ruídos no passado, recorrentes infecções do ouvido, algumas doenças sistêmicas como diabetes e problemas cardíacos ou a fatores genéticos. Por isso, a entidade recomenda que todos os adultos entre 25 e 50 anos, mesmo que assintomáticos, devem se submeter a triagem auditiva como forma de identificar precocemente a doença.

 

A Triagem auditiva neonatal, de acordo com a organização, é outra importante medida, visto que possibilita com que crianças que tenham pré-disposição genética para doença, ou que tenham sofrido complicações durante a gestação, tenham o problema detectado e tratado precocemente, desenvolvendo habilidades de oralidade e leitura idênticas às crianças sem o problema auditivo.


 

Fonte: OMS / Healthy and Hearing


Leia Mais: 

Segundo a OMS 360 milhões de pessoas no mundo sofrem de perda auditiva incapacitante

Pesquisa relaciona perda auditiva e demência

Hábitos de risco para a saúde que contribuem com a perda auditiva

Deficiência auditiva atinge 9,7 milhões de brasileiros

Perda repentina de audição associada a ocorrência de AVC nos próximos dois anos